6 Jul, 2018

Sociedade Santos Mártires: Valorização da vida!

Encravada no centro de um dos bairros considerados pelo ONU no ano de 1996 como o mais perigoso do mundo está a Sede da sociedade Santos Mártires, no Jardim Ângela. Associação sem fins lucrativos e que atende, em seus 22 serviços sociais, seis mil pessoas diretamente e mais de 18 mil atendimentos indiretos por mês.

Visitando o local e conversando com os seus lideres é fácil entender porque a associação fez e faz diferença há 30 anos, na vida educacional, assistencial e social dos mais de 317 mil paulistanos, em cerca de 100 mil residências, que vivem no bairro e têm como principal via de acesso a região, a Estrada do M’Boi Mirim.

Padre Jaime Crowe, 73 anos, um irlandês que vive no Brasil desde o final dos anos 80, de sorriso fácil, sotaque ainda bem carregado e ferrenho torcedor do Corinthians, percebeu logo que chegou à Paróquia Santos Mártires a necessidade de combater os mecanismos de exclusão no bairro. Desde então a paróquia tem sido o espaço de ações sociais para a comunidade que vão da assistência ao empreendedorismo.

“Quando cheguei aqui, tinha apenas poucos postos de saúde nas redondezas, a violência já era muito grande, o acesso era difícil, faltavam escolas, creches, era preciso fazer algo para defender os direitos humanos”, enfatiza padre Jaime.

Na paróquia desde 1987, divide com padre Eduardo J. Macgettrick – um inglês muito bem humorado –, a tarefa de evangelizar e administrar os sacramentos e celebrar as missas nas cinco comunidades pertencentes à Paróquia Santos Mártires, além de participarem ativamente e de perto das atividades dos projetos da Sociedade.

“É muito comum procurarmos pelo Padre Jaime ou Padre Eduardo e eles estarem visitando um dos projetos”, revela Carlos Alberto, responsável pela comunicação.

Sentado em uma cadeira na sala de refeições, usa camiseta, calça jeans e um chapéu que lhe é muito característico, faz piada de si o tempo todo e é extremamente carismático. De repente alguém interrompe a entrevista: “Padre desculpe, mas preciso só te perguntar uma coisinha”, ele não se incomoda e sorrindo atende prontamente ao pedido, voltando à nossa conversa exatamente do ponto em que parou.

Saúde, educação, assistência social e segurança, foram ganhando campo no bairro à medida que a população ia sendo conscientizada, por padre Jaime e as muitas lideranças que já estavam na região, dos seus direitos e também de suas obrigações.

Padre Jaime não esconde sua militância e atuação em frentes políticas em que acredita e cobra com veemência as autoridades públicas. Já promoveu inclusive, inúmeras passeatas e bateu em portas de gabinetes para cobrar melhorias prometidas. Em 1996 ajudou a criar o Fórum em Defesa da Vida, uma iniciativa da sociedade civil organizada e que está abrigada nas dependências da Santos Mártires, com reuniões mensais, que reúnem diversos representantes da comunidade e membros de instituições públicas e privadas para debate e levantamento das necessidades da região.

Cada projeto da Sociedade Santos Mártires nasceu das necessidades sentidas nas redondezas e a primeira delas foi a falta de creches. “As mães que muitas vezes precisam trabalhar para ajudar no lar ou eram mães solteiras, não encontravam vagas nas poucas creches que tinha por aqui, então começamos de forma voluntária a cuidar destas crianças, aqui mesmo no espaço da igreja, aos poucos e ao longo destes anos, com muita luta conseguimos implantar os Centros de Educação Infantil (CEI), os Centros para Crianças e Adolescentes (CCA) e também os Centros para a Juventude (CJ)”, conta Padre Jaime.

As necessidades da comunidade eram e ainda são o que norteiam a Sociedade Santos Mártires, que tem como missão ser uma chama de esperança na região do Jardim Ângela, através de ações que valorizam e estimulam a prática da cidadania. Padre Jaime já recebeu muitos prêmios, sendo o último deles o Prêmio Dom Paulo Evaristo Arns de Direitos Humanos, em 2016, mas faz questão de deixar claro: “não faço nada sozinho, somos todos responsáveis”, enfatiza sem se gloriar e orgulhoso de todos que o rodeiam.

Projetos de proteção especial e inclusão como a Casa Sofia, o Serviço de Proteção Social a Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência (SPVV), o Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (MOVA) e o Ninho da Esperança engrossam a ação social da Sociedade.

A Casa Sofia, um núcleo especializado no atendimento à mulher vítima da violência, quer seja moral ou física trabalha com orientações e acesso aos direitos constitucionais. A ‘casa’ está sempre aberta e embora o espaço físico seja limitado o acolhimento é gigantesco. “Essas mulheres chegam aqui fragilizadas e muitas vezes sem saber o que fazer, que rumo tomar. Acolher e ajudar na superação dos traumas é essencial, além da ajuda prática de proteção, que muitas vezes é necessária. Em todos estes anos nós não ‘perdemos’ uma só mulher para a violência”, diz orgulhosa Maria Castro, gerente do projeto.

São 250 pessoas envolvidas nos projetos e muitos voluntários que se dedicam com o único objetivo de levar esperança e afeto. Este é o caso de Bete, uma senhora de olhar terno e fala fácil. Bete trabalha no projeto Ninho da Esperança, que fica as margens da represa do Guarapiranga e que atende diretamente 40 crianças e jovens com necessidades especiais diversas, além de prestar assistência a seus familiares.

“Eu comecei a freqüentar o ‘Ninho’ por causa da minha filha, hoje falecida. Fui muita ajudada e resolvi também doar meu tempo para retribuir toda ajuda e amor, me sinto muito feliz aqui”, comenta alegremente mostrando as fotos penduradas na parede da sala de todos os seus ‘filhos’, dizendo um a um seus nomes. Além de alimentação, os atendidos do ‘Ninho’ desenvolvem atividades para o fortalecimento de sua autonomia de acordo com suas necessidades e limites. A prática de esportes, canto e pintura são algumas delas.

Para Regina Paixão, envolvida com o projeto há 30 anos e a quase três anos presidente, a Sociedade Santos Mártires não só ajudou a resolver boa parte dos problemas de violência da região, como ofereceu oportunidades para as pessoas da comunidade. “Aprendi, com os padres, desde o começo, a acolher, a abraçar as causas, isso aqui é minha vida. Nunca antes a Sociedade havia tido na presidência um leigo, e assumir esse papel deu medo, claro, mas eu acredito muito que juntos somos mais fortes e melhores e a sociedade tem essa atmosfera de ajuda mútua e isso é o que faz dar certo”, diz sorridente a presidente.

Essa atmosfera de ajuda mútua é de fato sentida em cada pessoa envolvida nos tantos projetos visitados. Seja o educador, que ao ensinar a criança alimenta seus sonhos. Seja com o funcionário, que ensina um ofício na padaria comunitária ou na sala de informática dos projetos. Seja nas orientações do assistente social ou psicólogo, que aviva esperanças. Seja no abraço fraternal de cada um dos envolvidos na valorização e na prática da cidadania desta Sociedade que sim, acredita ser possível transformar situações através do amor e da caridade.


5 Jul, 2018

Projeto Mãe que acolhe ganha mais um complexo de dormitórios e aumenta sua capacidade de acolhimento

No último dia do mês de junho, sob o calor do sol e do amor, aconteceu a inauguração de mais um complexo de dormitórios no Projeto Mãe que Acolhe, aumentando a capacidade de acolhimento de 50 para 72 homens.


4 Jul, 2018

Formando liturgicamente para melhor celebrar - A Missa explicada – 2ª parte

Amados leitores,

Continuando nossa catequese sobre a missa, depois de ter dado uma breve introdução na edição anterior, transcreveremos tudo o que a Instrução Geral do Missal Romano nos orienta! Se formos fiéis ao que nos orienta a Santa Mãe Igreja, evitaremos os “diversos abusos litúrgicos” que atualmente acontecem:

Os ritos iniciais na celebração Eucarística  

  1. Os ritos que precedem a liturgia da palavra – entrada, saudação, ato penitencial, Kýrie (Senhor, tende piedade de nós), Glória e oração coleta – têm o caráter de exórdio, introdução e preparação. É sua finalidade estabelecer a comunhão entre os fiéis reunidos e dispô-los para ouvirem devidamente a palavra de Deus e celebrarem dignamente a Eucaristia. Em algumas celebrações que, segundo as normas dos livros litúrgicos, se ligam à Missa, os ritos iniciais omitem-se ou realizam-se de modo específico.

Entrada

  1. Reunido o povo, enquanto entra o sacerdote com o diácono e os ministros, inicia-se o cântico de entrada. A finalidade deste cântico é dar início à celebração, favorecer a união dos fiéis reunidos e introduzi-los no mistério do tempo litúrgico ou da festa, e ao mesmo tempo acompanhar a procissão de entrada do sacerdote e dos ministros.
  2. O cântico de entrada é executado alternadamente pelo Coro e pelo povo, ou por um cantor alternando com o povo, ou por toda a assembleia em conjunto, ou somente pelo Coro. Pode utilizar-se ou a antífona com o respectivo salmo que vem no Gradual Romano ou no Gradual simples, ou outro cântico apropriado à ação sagrada ou ao caráter do dia ou do tempo, cujo texto tenha a aprovação da Conferência Episcopal. Se não há cântico de entrada, recita-se a antífona que vem no Missal, ou por todos os fiéis, ou por alguns deles, ou por um leitor; ou então pelo próprio sacerdote, que também pode adaptá-la à maneira de admonição inicial.

Saudação do altar e da assembleia

  1. Chegados ao presbitério, o sacerdote, o diácono e os ministros saúdam o altar com inclinação profunda. Em sinal de veneração, o sacerdote e o diácono beijam então o altar; e, se for oportuno, o sacerdote incensa a cruz e o altar.
  2. Terminado o cântico de entrada, o sacerdote, de pé junto da cadeira, e toda a assembleia fazem sobre si próprios o sinal da cruz; em seguida, pela saudação, faz sentir à comunidade reunida a presença do Senhor. Com esta saudação e a resposta do povo manifesta-se o mistério da Igreja reunida. Depois da saudação do povo, o sacerdote, ou o diácono, ou outro ministro, pode, com palavras muito breves, introduzir os fiéis na Missa do dia.

Ato penitencial

  1. Em seguida, o sacerdote convida ao ato penitencial, o qual, após uma breve pausa de silêncio, é feito por toda a comunidade com uma fórmula de confissão geral e termina com a absolvição do sacerdote; esta absolvição, porém, carece da eficácia do sacramento da penitência. Ao domingo, principalmente no tempo pascal, em vez do costumado ato penitencial pode fazer-se, por vezes, a bênção e a aspersão da água em memória do batismo.

Kyrie, eleison

  1. Depois do ato penitencial, diz-se sempre o Senhor, tende piedade de nós (Kyrie, eléison), a não ser que já tenha sido incluído no ato penitencial. Dado tratar-se de um canto em que os fiéis aclamam o Senhor e imploram a sua misericórdia, é normalmente executado por todos, em forma alternada entre o povo e o Coro ou um cantor. Cada uma das aclamações diz-se normalmente duas vezes, o que não exclui, porém, um maior número, de acordo com a índole de cada língua, da arte musical ou das circunstâncias. Quando o Kyrie é cantado como parte do ato penitencial, cada aclamação é precedida de um «tropo».

Glória in excelsis

  1. O Glória é um antiquíssimo e venerável hino com que a Igreja, congregada no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro. Não é permitido substituir o texto deste hino por outro. É começado pelo sacerdote ou, se for oportuno, por um cantor, ou pelo Coro, e é cantado ou por todos em conjunto, ou pelo povo alternando com o Coro, ou só pelo Coro. Se não é cantado, é recitado ou por todos em conjunto ou por dois coros alternadamente. Canta-se ou recita-se nos domingos fora do Advento e da Quaresma, bem como nas solenidades e festas, e em particulares celebrações mais solenes.

Oração coleta

  1. Em seguida, o sacerdote convida o povo à oração; e todos, juntamente com ele, se recolhem uns momentos em silêncio, a fim de tomarem consciência de que se encontram na presença de Deus e poderem formular interiormente as suas intenções. Então o sacerdote diz a oração que se chama «coleta», pela qual se exprime o caráter da celebração. Segundo a tradição antiga da Igreja, a oração dirige-se habitualmente a Deus Pai, por Cristo, no Espírito Santo, e termina com a conclusão trinitária.

* Com a aprovação da Sé Apostólica, nos países de língua portuguesa as orações concluem todas do mesmo modo: • se é dirigida ao Pai: Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo; • se é dirigido ao Pai, mas no fim é mencionado o Filho: Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo; • se é dirigido ao Filho: Vós que sois Deus com o Pai na unidade do Espírito Santo.

Pe. Fausto dos Santos Oliveira é o Assessor Diocesano da Área de Ação Evangelizadora Litúrgica

Participe

Participe da Escola Diocesana de Liturgia

Turmas às terças e quintas feiras (de 07/08 a 29/11)

Inscrições abertas: liturgia@diocesedecampolimpo.org.br

 

 


Jul 3, 2018

1ª Caminhada de fé diocesana rumo à casa da Mãe Aparecida

 Diocese de Campo Limpo realizará a 1ª Caminhada de Fé rumo ao abraço materno da Mãe Aparecida.


28 Jun, 2018

Tô na Praça Tô na Graça - Evento de evangelização em praça pública já está em sua 4ª edição!

A 4ª edição do projeto ‘Tô na Praça, to na Graça’, aconteceu no último dia 23/06 na praça que fica em frente à paróquia São Judas Tadeu, no Campo Limpo. Com o apoio do padre Fausto dos Santos Oliveira, pároco da São Judas, uma centena de jovens juntamente com o padre idealizador do projeto Edalto Pereira dos Santos e outros movimentos e pastorais movimentaram os moradores da região e paroquianos.

Pregações, música, teatro, oração do terço, além de atendimentos de confissões e a oportunidade de adorar ao Senhor exposto no ostensório, transformou a praça quase sempre silenciosa, em um ambiente de divertimento e acolhimento a todos que passavam por ali, e contagiados com o movimento, acabavam participando.

A grande novidade desta edição é a adesão ao projeto pela Pastoral Familiar e o Encontro de Casais com Cristo (ECC) que animados e ansiosos com a oportunidade de evangelização, ajudarão também nesta missão levando orientações sobre as relações familiares para casais, pais e filhos. A Santa Missa encerrou as atividades no começo da noite.

A próxima edição está marcada para dia 07 de julho na praça do parque ecológico Branca Flor, em Itapecerica da Serra. Participe!


19 Jun, 2018

Conselho Diocesano de Pastoral realiza formação sobre Doutrina Social da Igreja e política como busca do bem comum

Mais de 250 pessoas participaram de uma manhã formativa sobre política e bem comum a luz da Doutrina Social da igreja com o professor Doutor José Mario B. Carneiro, na Paróquia Catedral Sagrada Família.


19 Jun, 2018

Campanha ‘O Amor que aquece’ da pastoral de rua leva amor e cobertor

A Pastoral de Rua da paróquia Santo Antônio de Sant’Ana Galvão, Forania M’Boi Mirim, saiu às ruas no intuito de aquecer a noite de pessoas em situação de vulnerabilidade. Em uma noite fria de junho, o amor, mais que os agasalhos, aqueceu e alimentou o coração de todos os envolvidos.

A campanha ‘O Amor Aquece’ realizada no território paroquial arrecadou inúmeros agasalhos e a entrega foi marcada por grande comoção e alegria.

Um dos agraciados pelo gesto, o morador de rua Laércio, não conteve o sorriso e os agradecimentos e voluntariamente deixou um ensinamento no momento da oração: “Agradeçam todos os momentos da vida, inclusive os ruins, porque se existe algo de ruim em sua vida, é sinal de que você está vivendo e de que por isso tem muito a agradecer”, disse emocionado.

Os membros da Pastoral de Rua agradecem a colaboração e a participação nesta missão, que aqueceu e encheu de amor muitas pessoas.


19 Jun, 2018

De São Paulo a Bom Jardim: COMIDI realiza formação no nordeste do país!

Equipe do COMIDI de Campo Limpo se instala em Bom Jardim para formações de lideranças locais e doação missionária de amor, fraternidade e respeito!


19 Jun, 2018

Paróquia começa a celebrar Santa Missa Votiva aos Padroeiros

A Liturgia da Igreja sempre ofereceu a possibilidade de se celebrar as Missas Votivas para favorecer a fé, a piedade e a devoção dos fiéis, sendo assim, a partir do mês de Junho, a Paróquia Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores, no Jardim Ipê - Forania Campo Limpo, começou a tradição de celebrar a Santa Missa Votiva aos Padroeiros na igreja matriz.

Por iniciativa do pároco, Denis de Oliveira Matos, serão celebrados mensalmente, no 1º sábado às 10h à Nossa Senhora das Dores e na 3º sexta-feira às 19h30 ao Senhor dos Passos.

Com as orações, as leituras e a cor litúrgica própria, a Santa Missa Votiva oferece aos paroquianos a oportunidade de demonstrar veneração aos Padroeiros celebrando mensalmente, não apenas uma vez por ano na solenidade litúrgica.



Cúria Diocesana

Rua Lira Paulista, 30
Jd. Bom Refúgio - São Paulo
05788-320

11 3584-9000


© - Diocese de Campo Limpo.
Voltar ao Topo