fbpx

Quatro ensinamentos dados por Cristo para lembrar entre a Páscoa e a Ascensão

As Santas Escrituras não fornecem muita informação sobre a presença de Jesus na Terra no período que vai da Páscoa até a Ascensão. Contudo, esses dias foram marcados por diversos eventos que podem ajudar os cristãos a avançar em sua vida cotidiana.

Nicolas Buttet / Portal Aleteia | Terça, 14 Abril 2020 10:48
Quatro ensinamentos dados por Cristo para lembrar entre a Páscoa e a Ascensão

“Os dias que se passaram entre a ressurreição do Senhor e sua ascensão não foram desprovidos de eventos: grandes mistérios foram confirmados, grandes verdades foram reveladas“, escreve São Leão, o Grande.

Quanto aos lugares onde Jesus pode ter estado fisicamente durante esse intervalo de tempo ou os momentos que apareceu para nós, “são desconhecidos, porque as Escrituras Sagradas não nos fornecem dados sobre esse assunto, e seu domínio compreende todos os lugares” (São Tomás de Aquino).

Ainda assim, vamos tentar examinar, à luz da palavra de Deus e dos encontros do Ressuscitado, quatro ensinamentos de Cristo dados durante esse período. Temos muito a aprender.

Jesus nos oferece consolação, paz e alegria

Cristo aparece para seus discípulos para lhes trazer a certeza da fé em sua ressurreição e oferecer-lhes consolo, paz e alegria. No dia de sua ressurreição, ele apareceu cinco vezes, a pessoas diferentes.

São Tomás nos ajuda a compreender: “Para mostrar a realidade da Ressurreição, bastou que Jesus aparecesse aos discípulos algumas vezes, conversando com eles de forma familiar, comendo e bebendo, e convidando-os a tocá-lo. Foi para manifestar a glória do Ressuscitado que Jesus não veio viver novamente com eles de forma contínua, como havia feito antes, porque eles poderiam pensar que ele havia simplesmente retornado à mesma vida de antes.”

Uma nova forma de se relacionar com Jesus

Jesus ensinou aos seus discípulos uma nova maneira de se relacionar com ele. Estando lá, ele disse aos seus apóstolos: “Isto é o que vos dizia quando ainda estava convosco” (Lc 24,44).

Este “quando ainda estava convosco” – mesmo ele estando bem na frente deles – mostra que a maneira incrível de estar presente como Ressuscitado não é da mesma ordem que sua presença nos dias de sua carne mortal. Enquanto se revelava a Maria Madalena, ele lhe disse: “Não me toque! (Jo 20, 17). A partir de então, seria pela fé e pela caridade que alguém poderia realmente “tocar” no Jesus ressuscitado.

A importância da oração para a evangelização

Jesus prepara seus discípulos para a missão que ele lhes confia e que tomará forma concreta em Pentecostes. Ele pede que esperem ativamente pelo Espírito Santo que ele enviará de junto do Pai e que lhes dará acesso à plenitude da verdade. Através desse Espírito, eles receberão a força de testemunhar até os confins da terra e até o fim de suas vidas.

Os apóstolos, então, permanecem no Cenáculo junto a Maria para um momento de preparação e interiorização, aprofundando-se no desejo pelo dom de Deus e manifestando assim o papel central da oração na missão.

Jesus sempre é capaz de iluminar e renovar as nossas vidas

A maneira como Jesus aparece para seus discípulos nos lança sobre o realismo espiritual. Ele se apresenta com feridas mortais em um corpo glorioso e imortal. Essas feridas se juntam às nossas. Elas são como uma fonte, prontas para nos irrigar com sua graça que se derrama sobre as nossas fraquezas. E esses encontros com o Cristo Ressuscitado acontecem no ordinário da vida cotidiana.

Mais ainda, Maria Madalena pensa que Jesus é um jardineiro, chega mesmo a pensar que ele poderia ser o suspeito número um no caso do roubo do corpo de Jesus. Já os discípulos de Emaús pensam que ele é um peregrino um pouco estranho que nem mesmo sabe o que aconteceu em Jerusalém. Portanto, através desses encontros, Jesus nos mostra que ele sempre chega perto de nós, às vezes de maneira simples ou surpreendente, nas realidades corriqueiras de nossa vida, para nos iluminar e renovar com a sua presença.