Diocesanos realizam visitam regulares a enfermos no Hospital Campo Limpo

Membros da Capelania Católica da Diocese de Campo Limpo visitam cheios de entusiasmo e amor pacientes internados no Hospital Municipal de Campo Limpo.

Redação | Quarta, 18 Abril 2018 09:01
Diocesanos realizam visitam regulares a enfermos no Hospital Campo Limpo Andrea Rodrigues

O ambiente não é silencioso, um andar apressado pelo corredor, um choro infantil que não cessa, uma cadeira de rodas rangendo com o peso transportado e um balcão cheio de pessoas pedindo informações ou autorizações para a entrada é o cenário. Cenário este, que um grupo de cristãos católicos, munidos de bíblia, violão e afeto vivenciam pelo menos quatro vezes por mês no Hospital do Campo Limpo para levar alento e conforto, em horas de dor e angústia.

Todas as semanas, às quartas-feiras, um grupo de mais ou menos vinte pessoas de diferentes paróquias da diocese, leigos e propedêutas (rapazes em preparação inicial para o sacerdócio), liderada pelo Padre Antonio Ferreira Gonçalves, Reitor do Seminário Propedêutico Sagrada Família, se encontram na portaria do hospital para exercer a fraternidade e caridade com os enfermos. Uma vez por mês no sexto andar a ala de recreação infantil se transforma em um lugar propício para que aconteça a celebração da Santa Missa em intenção de todos os doentes internados, funcionários e falecidos.

A iniciativa que já existe há mais de quatro anos ganhou corpo e mais adeptos depois que leigos das paróquias Santa Rosa de Lima, Sagrado Coração, Nossa Senhora do Carmo, São Vicente e Cristo Rei aceitaram o convite e o chamado a esta missão de evangelização. Eles circulam pelos leitos do hospital devidamente identificados como membros da Capelania Católica da Diocese de Campo Limpo, rezam por aqueles que desejam ou apenas os visitam. A doença deixa a pessoa fragilizada e estar enfermo não é fácil, contudo com o apoio destes voluntários, familiares e pacientes têm encontrado conforto e esperança.

Para este grupo, realizar estas visitas é muito mais do que levar um abraço, um sorriso, um aperto de mão, mas, realizar um encontro com o próprio Cristo que diz: “Estive doente fostes me visitar” (Cf. Mt 25,36).

O mundo precisa de pessoas que tenham coragem para semear o bem e levar a misericórdia a quem mais necessita, mundo pode ser melhor com cada pequeno gesto de amor praticado.