fbpx

Como agir com pessoas que querem sempre ter razão?

Se há uma frase que às vezes acaba encerrando um diálogo, é esta afirmação categórica: “Você tem sempre a razão!” E se todo o mundo tivesse a sabedoria de se questionar um pouco? Tanto aquele que se comporta como um possuidor da verdade quanto aquele que lança essa frase com agressividade.

Aleteia | Denis Sonet | Terça, 21 Julho 2020 12:36
Como agir com pessoas que querem sempre ter razão?

Quem aponta com o dedo abruptamente dizendo a frase “Você tem sempre a razão!”, ficou ciente dos motivos que o levam a se expressar assim? Por que essas palavras tão abruptas? É um desejo de desqualificar o que o outro acabou de declarar?

Nesse caso, a frase “Você tem sempre a razão!” poderia significar: “Você assume posições que, desde o início, são persistentes, que me fazem pensar que o que eu disser, tem que colidir com aquela parede sustentada por certezas fixas.

Em resumo, você é uma pessoa que podemos dizer que é um ser limitado, que não entende nada de nada!”.

É para parar a discussão? Porque nos faltam argumentos e, de fato, podemos estar errados… ou porque consideramos que a conversa é inútil ou inclusive capaz de degenerar numa escalada verbal?

“Já é suficiente… não adianta discutir… vamos deixar pra lá”. É talvez porque tenhamos a sensação dolorosa de não existir, de ser subvalorizado, se estivermos convencidos de que o que podemos dizer nunca é levado em consideração e de que nos é negado o direito de pensar o que pensamos ou de sentir o que sentimos?

Uma pergunta que também corresponde àqueles que ouvem tal reprovação. Não existe uma parte da verdade naquilo que a outra pessoa afirma? Não nos empolgamos rápido demais para pensar que a outra pessoa está claramente exagerando?

E, nesse caso, foi devido a um complexo de superioridade (que faríamos bem em reconhecer!) ou a uma dúvida verdadeira sobre a capacidade de julgamento do outro, à falta de estima em relação a ele/ela? Ou estamos simplesmente convencidos, de boa fé, de estar certos, e que admitir o contrário seria renunciar às nossas opiniões ou negar a evidência?

Perceba melhor as exigências de toda comunicação

O primeiro requisito para uma boa comunicação é que é inútil e ineficaz descobrir quem está certo e quem está absolutamente errado. Não podemos infectar a discussão. O que importa é tentar entender melhor como o relacionamento funciona.

Por exemplo: “Você percebeu que eu não aceito o que você diz quando tem um tom que eu não gosto?” Você tem que olhar – com humor – os círculos viciosos que estão instalados no relacionamento: “Quanto menos você me ouve, mais eu subo o tom de voz… e quanto mais eu subo o meu tom de voz, menos você me ouve”. É inútil procurar “quem começou” e se comportar como crianças que brigam e depois se justificam.

O segundo requisito de toda comunicação é uma certa descentralização (deixando o ego por um momento) para tentar entrar nos problemas do outro. É até saudável partir do princípio de que o outro (que também é prudente!) pode ter percebido um aspecto das coisas que ignoramos e que estaríamos interessados ​​em conhecer.

Dizer que estamos certos é afirmar bastante rápido que sabemos a verdade. Dizer que a outra pessoa sempre está certa é afirmar bastante rápido que ela está convencida de saber a verdade e, paradoxalmente, isto é, dizer que também estamos certos… quando pensamos nisso. No entanto, se refletirmos, sabemos bem que ninguém está de posse da verdade. O real é tão complexo que só podemos capturar elementos parciais.

Ninguém pode afirmar possuir a verdade

Todos nós usamos os óculos da nossa subjetividade no nariz. Eles têm uma cor diferente, dependendo da nossa educação, nossa história e nossa personalidade. Somos todos mais ou menos daltônicos psicológicos. E se temos divergências, a razão não está tanto num erro evidente do julgamento do outro como no fato de não estarmos posicionados da mesma maneira, que não temos o mesmo ponto de observação, o “mesmo ponto de vista”, nunca melhor dito!

Portanto, em vez de combater a visão do outro, é prudente mudar de posição e tentar – o máximo possível – olhar o mundo e seus problemas com os olhos do outro. E a diferença não é mais um motivo de conflito, mas um enriquecimento e refinamento de nosso julgamento. Isso é verdade no relacionamento conjugal, mas também no relacionamento parental, amigável e profissional.

Ninguém pode afirmar possuir a verdade. Havia apenas uma pessoa que teve a audácia de dizer não apenas que ela tinha a verdade, mas que era a verdade. Mas nós não somos Jesus Cristo e, acima de tudo, não temos o direito de nos comparar com ele, dizendo, por exemplo, que temos o carisma de ver as coisas como Ele!